Morre Manuelzinho condenado pelo assassinato de dois militares na Guiana.

Fonte: https://la1ere.francetvinfo.fr/

Morre Manuelzinho condenado pelo assassinato de dois militares na Guiana.
© guyane 1ª

Os Jornais da guiana francesa noticiaram a morte de Manoel Moura Ferreira, vulgo “Manoelzihno” durante sua prisão em Macapá, Preso desde 2012, condenado à prisão perpétua em 2016 pelo assassinato de dois policiais, Manoel Moura Barbosa, conhecido como “Manoelzinho” faleceu no dia 1º de janeiro. Acredita-se que a morte se deva a complicações de sintomas semelhantes aos da gripe.

Ele estava preso desde 2012 no Brasil pela morte de dois soldados das Forças Armadas francesas e pela tentativa de assassinato de outros 22 policiais na Guiana, como parte de ações de combate à mineração ilegal de ouro.

Manoelzinho deu entrada no pronto-socorro na sexta-feira. Ele apresentou sintomas semelhantes aos de gripe e dificuldade respiratória. A causa da morte não foi divulgada pelo Instituto de Administração Penitenciária, mas seu advogado confirmou a morte pela doença.

Perpetuidade para manuelzinho

Julgado à revelia, "Manoelzinho" foi condenado à prisão perpétua em outubro de 2016 pelo Tribunal de Justiça de Fort-de-France, pelos assassinatos de dois soldados em Maripasoula em 2012.

Leia também

Sentenças de 18 anos de prisão e prisão perpétua para os assassinos de soldados na Guiana

Três cúmplices receberam penas de 18 a 30 anos de prisão.

Manoel Moura Ferreira, "Manoelzinho", e Ronaldo Silva Lima, "Brabo", mataram, no dia 27 de junho de 2012, Sébastien Pissot e Stéphane Moralia, dois policiais. Os dois policiais franceses foram mortos a tiros enquanto fugiam de um helicóptero em uma área de mineração ilegal de ouro na região de Dorlin, no sudoeste da Guiana.

Leia também

Manoelzinho condenado a prisão perpétua novamente

Quase um mês depois da morte da polícia, os dois suspeitos foram capturados pelo Batalhão de Operações Especiais da Polícia brasileira (Bope) em um hotel em Macapá. O Ministério Público Federal do Amapá moveu processo-crime contra os dois homens em 2015. A denúncia resultou de uma investigação do Ministério Público francês. Preso, Manoel Moura Ferreira ainda aguardava julgamento no Brasil.

fonte : https://la1ere.francetvinfo.fr/

Por joão Ataíde o Viajante