SENSAÇÃO AMAPAENSE o sucesso da quadra junina no Amapá, segundo CLEBERSON VIANA.

Em entrevista prestada por Cleberson Viana, a matéria foi realizada em 17 de maio de 2019.

SENSAÇÃO AMAPAENSE o sucesso da quadra junina no Amapá, segundo CLEBERSON VIANA.
Foto João Ataíde

O diálogo sobre a criação do grupo junino SENSAÇÃO AMAPAENSE nasceu da beleza, simplicidade e harmonia, superando os desafios da barreira do tempo. A fusão dos nomes Coração Amapaense e Sensação Junina em janeiro de 2001 gerou o grupo forte e competitivo para representar o município em igualdade de condições com suas adversárias.

Na presidência das senhoras Maria Eugenia e Sandra Abreu, a quadrilha apresentou o tema "Centenário do Município de Amapá" em 2001. A SENSAÇÃO AMAPAENSE disputou o intermunicipal e chegou à final em Macapá, ficando entre as dez maiores do estado, no 8º lugar. Em 2002, o tema foi "Estações do Ano", a SENSAÇÃO AMAPAENSE novamente chegou à final em Macapá, ficando em 6º lugar, mesmo enfrentando a falta de recursos financeiros.

Cleberson Viana, sócio-fundador e um dos principais incentivadores da existência do grupo junino, é um personagem de fundamental importância nessa história. Ele passou por vários grupos em Macapá, onde é natural, e por questões pessoais se afastou. Em 2004, com o tema "500 anos de Brasil", a quadrilha retornou com mais garra e com o retorno de Cleberson.

Em 2005, com o tema "Monteiro Lobato Vida e Obra", a quadrilha conheceu o funcionamento da nova liga. Em 2006, o tema "Da Origem à Evolução da Quadra Junina" levou a SENSAÇÃO AMAPAENSE a ficar entre as melhores de Macapá. Em 2008, com o tema "Maravilhas do Brasil", a quadrilha ficou em segundo lugar no polo junino em Porto Grande.

Em 2009, todas as falhas foram corrigidas e a SENSAÇÃO AMAPAENSE apresentou o tema "A Criação do Mundo", conquistando o primeiro lugar na liga FEFAP e no intermunicipal. A quadrilha ficou em terceiro lugar no polo junino em Porto Grande e foi convidada a participar da final do campeonato, ficando em segundo lugar.

As dificuldades são enormes, mas a superação é algo que faz parte e serve para superá-las. A figura fundamental do prefeito Peba foi essencial para o apoio incondicional da SENSAÇÃO AMAPAENSE em várias ocasiões. A quadrilha se orgulha de ser um fenômeno da quadra junina no Amapá.

Parabéns SENSAÇÃO AMAPAENSE e parabéns a Cleberson Viana, que liderou esse grupo de forma digna e agradece imensamente a todos que ajudaram a construir essa grande "família", que figura entre as maiores do estado do Amapá. Entre os membros desta família, destacam-se as misses que foram eleitas de 2001 a 2004: Lilian Carla (que foi a melhor do estado), Roberta Caroline de 2005 a 2007, Lana Carla em 2009, Tainar Silva em 2010, Suzana Moura em 2011, Wendy Silva em 2017 e o retorno de Lilian Carla em 2019 com Vitória Carvalho.

Também merecem destaque os estilistas que fizeram parte deste grupo, como Diego Soares (que foi estilista por muitos anos), Pedro Gomes (que trabalha para as escolas de samba em Macapá), Antônio Reinaldo e os atuais Marcio Rodrigues e Chalés Mira. As costureiras que contribuíram para a construção das roupas das misses incluem Meire Moraes, a professora Ivanilde Lacerda e Silvana (em 2019).

O grupo também teve vários presidentes e coordenadores ao longo dos anos, incluindo Maria Eugenia e Sandra Abreu em 2001, Lindalva Peixoto em 2002, a professora Iva em 2004 (atual vereadora), e Jacimar Alves em 2007. Entre os coordenadores, destacam-se Sabrina, Professor Victor, Aline Assunção, Ericka Pantaleão, Claudionor, Anilsa, Nilsa, a professora Ogerlandia, D’eraldo Santana, Natan Oliveira, Pricila Vaz, Iane Moura, Cleberson Viana, Sandro Silva, Ernandes e Denílson Vilhena - este último um ícone no grupo por ter orgulho de ser tricampeão e um dos brincantes mais antigos da região.

Cleberson Viana agradece especialmente ao ex-prefeito Peba por proporcionar ao grupo os melhores momentos de respeito e reconhecimento da verdadeira representante do município de Amapá. Mais uma vez, parabéns à SENSAÇÃO AMAPAENSE e a todos que contribuíram para tornar este grupo uma grande família.

Por João Ataíde o Viajante