Tradição Preservada: Raspar o Tacho na Fazenda Espírito Santo

O que sobra é compartilhado entre os presentes,

Tradição Preservada: Raspar o Tacho na Fazenda Espírito Santo
Foto João Ataíde

Tradição Preservada: Raspar o Tacho na Fazenda Espírito Santo

Na fazenda Espírito Santo, localizada em Amapá, uma prática continua a ser preservada: o ato de raspar o tacho. Este gesto, enraizado no seio familiar, é parte da preparação artesanal do queijo de Amapá, uma iguaria culturalmente apreciada na região.

Ao finalizar as tarefas diárias, antes de lavar o tacho, os membros da fazenda se reúnem para realizar o ritual de raspar o tacho. O que sobra é compartilhado entre os presentes, promovendo a união e a solidariedade tão características da cultura local. Em ocasiões especiais, o queijo raspado é servido com farinha torrada e café, proporcionando uma experiência sensorial única e autenticamente amapaense.

Neste cenário, Fábio Cambraia e seus irmãos se destacam como guardiões da tradição, sendo um dos responsáveis pela comercialização do queijo da fazenda Espírito Santo. Sua e de sua família na dedicação em preservar as técnicas tradicionais e o sabor distinto do queijo artesanal contribui para manter viva esta herança cultural para o Amapá.

Com esse trabalho familiar, eles não apenas perpetuam a arte do queijo artesanal, mas também promovem a valorização da culinária tradicional da região, preservando um patrimônio cultural que é parte essencial da história e da identidade do Amapá.

Por João Ataíde o Viajante.