Realizado pelo IMPROIR: 1ª Feira Literária Afro de Macapá é Sucesso Total

O evento, realizado na Praça Memorial Nossa Senhora de Fátima

Realizado pelo IMPROIR: 1ª Feira Literária Afro de Macapá é Sucesso Total
Rede Social
Realizado pelo IMPROIR: 1ª Feira Literária Afro de Macapá é Sucesso Total
Realizado pelo IMPROIR: 1ª Feira Literária Afro de Macapá é Sucesso Total
Realizado pelo IMPROIR: 1ª Feira Literária Afro de Macapá é Sucesso Total
Realizado pelo IMPROIR: 1ª Feira Literária Afro de Macapá é Sucesso Total

No último fim de semana, 24, a cidade de Macapá foi palco de um evento cultural inédito e histórico. A 1ª Feira Literária Afro de Macapá, organizada pelo Instituto de Promoção da Igualdade Racial (IMPROIR), foi um sucesso, atraindo de visitantes e destacando a riqueza da literatura afro-amapaense.

O evento, realizado na Praça Memorial Nossa Senhora de Fátima, no bairro Santa Rita, reuniu em um único dia escritores, poetas, contadores de histórias, e artistas locais, todos celebrando a contribuição afrodescendente para a cultura e literatura brasileira. Durante a feira, o público teve a oportunidade de participar de diversas atividades, incluindo roda de conversa,  lançamentos de livros.

Entre os destaques da programação, estavam as apresentações de escritores locais que compartilharam suas experiências e reflexões sobre a importância da literatura afro na construção de uma sociedade mais justa e igualitária. As discussões abordaram temas como a representatividade, a identidade negra, e a luta contra o racismo.

Os escritores, foram um grande sucesso, incentivando novos talentos a explorarem suas raízes e expressarem suas vozes únicas através da literatura. Além disso, a feira contou com uma feira de livros, onde editoras especializadas e autores independentes puderam expor e vender suas obras.

O presidente do IMPROIR, padre Paulo, destacou a importância do evento para a comunidade local: "A 1ª Feira Literária Afro de Macapá não é apenas um espaço de celebração cultural, mas também um ato de resistência e afirmação da nossa identidade. E estamos de portas abertas para ajudar na criação da academia amapaense de escritores negros”, destacou.  

por João Ataíde o Viajante