Atividades Terapêuticas e Educacionais na APA da Fazendinha Engajam Crianças e Profissionais

Vamos continuar promovendo a conexão com a natureza e a educação ambiental.

Atividades Terapêuticas e Educacionais na APA da Fazendinha Engajam Crianças e Profissionais
Marcelo de Sá

Nesta quarta-feira, 19 de junho, a corporação de guarda-parques e parceiros desenvolveram atividades voltadas para o público infantil na Área de Proteção Ambiental (APA) da Fazendinha, na Escola Municipal Fortaleza. O evento incluiu palestras e terapias verdes voltadas para o tratamento de patologias como bullying, depressão e ansiedade.

Nerivan, guarda-parque e representante do Cumaú e da corporação de guarda-parques do Amapá, expressou sua gratidão pela parceria e destacou a importância da APA da Fazendinha no ambiente escolar. "Essa área é vital para a educação ambiental, proporcionando um espaço onde os alunos podem se conectar com a natureza e aprender a importância da preservação", disse Nerivan.

A psicóloga e guarda-parque Francidete desenvolveu atividades lúdicas para despertar a conexão e o bem-estar proporcionados pela natureza. Utilizando plantas aromáticas em sessões de aromaterapia, Francidete buscou ativar boas lembranças e potencializar memórias positivas entre as crianças. "A natureza oferece um caminho poderoso para a cura e o bem-estar, e essas atividades são fundamentais para ajudar as crianças a lidar com questões emocionais", explicou ela.

A professora e especialista em educação ambiental Marlene Rosário enfatizou a importância da Amazônia para o cuidado das atuais e futuras gerações. Durante o evento, ela conduziu atividades que resultaram na construção da "Carta da Amazônia" com as crianças, como parte do projeto global "Amazônia sou Eu!". "É crucial que as crianças entendam seu papel na preservação da Amazônia, pois são elas que herdarão a responsabilidade de cuidar deste ecossistema vital", destacou Marlene.

Amanhã será o segundo dia de atividades, continuando o esforço para integrar educação ambiental e terapias verdes no cotidiano escolar, visando o bem-estar e o desenvolvimento holístico das crianças.

Esta iniciativa demonstra como a colaboração entre guarda-parques, educadores e psicólogos pode criar um ambiente de aprendizado enriquecedor e terapêutico, que não só educa, mas também cuida da saúde emocional dos jovens.